300 x 250 Ad Space

20 janeiro 2010

Review de um Xing Ling: VAIC

Antes de sequer falar sobre o aparelho, vamos fazer uma reflexão sobre o nome do aparelho, VAIC, escrito com um "C" tão redondo e fechado que a maioria das pessoas lê: VAIO, e para os desinformados a associação é clara: "É UM CELULAR SONY VAIO", até ai tudo bem, mas o problema é que a linha VAIO é de Notebooks e não de celulares. A linha de celulares da Sony é a Sony Ericsson.

Veja as semelhanças entre os logos VAIC e VAIO:



Nesse momento já fica claro uma coisa: se alguém tenta enganar o consumidor é porque o produto dela não é bom o suficiente para se vender sozinho, foi esse o aspecto mais negativo para mim, mesmo antes de colocar as mãos no aparelho.

Estou testando esse VAIC desde o final de 2009, completando quase 1 mês de teste, onde nesse período tentei fazer de tudo com o aparelho, de tarefas simples às mais complexas.



A primeira coisa que gostei quando peguei o aparelho nas mãos é que seu corpo é emborrachado e grosso, o que permite uma ótima firmeza ao segurar o aparelho, apresentando uma sensação bastante agradável. É muito ruim segurar um celular que é fino ou leve demais, mas o VAIC passou longe dessa qualificação negativa.



O design no aparelho até é interessante, chegando ao ponto dele ser um celular bonito, porém nada discreto, primeiro você tem a impressão que ele é um Smartphone com teclado QWERT se olhado de longe, mas quando vai se aproximando é notável que ele parece mais um Xing Ling tijolão.

Uma das coisas mais frustrantes no aparelho é o teclado que não apresenta 4 linhas de teclas como os alphanuméricos e sim 3 linhas. É como se tirasse a quarta linha de teclas de um alphanumérico e jogasse ela em forma de coluna, tornando a digitação maçante e nada intuitiva. Veja a foto para melhor compreensão, atentando-se as teclas: "*", "0" e "#":



O sistema operacional é tosco, possui uma interface precária e feia, mas nada se compara a tradução feita porcamente, onde provavelmente jogaram todos os termos em um tradutor on-line bem fraco para reduzir custos em tradução. As funções "aceitar/ok" e "voltar" foram traduzidas como "está bem" e "verso", mas o auge da tosquice é que para ligar o bluetooth você tem que selecionar a opção "PODER", algo como "dar poder ao bluetooth", muito Power Rangers, não é? pois bem.



Toda tarefa no aparelho é maçante, o touch screen não reconhece exatamente a área que você tecla, então é preciso tocar a tela duas vezes - na maioria dos casos - para ele reconhecer um clique.

O aparelho também é feito de material bem fraco, sendo fácil de quebrar ou riscar, inclusive o acrílico que protege a tela do aparelho já está trincado.

O conector de energia do aparelho é muito complexo, primeiro que você conecta o carregador de ambos os lados, ou seja, não é como nos celulares que estamos acostumados, onde o carregador só conecta no aparelho em um único sentido, no VAIC ele conecta nos dois sentidos, mas funciona em apenas um, então cada vez de conectar o aparelho você fica confuso tentando lembrar qual lado é o certo. Quando depois de muito tempo você encontra o lado certo mesmo assim não funciona, sendo preciso tirar e colocar pelo menos umas 3 vezes para ele reconhecer o carregador e iniciar a carga.

O aparelho diz ter uma câmera de 8mp, mentirosa por sinal, pois não passa de uma péssima câmera vga, com um poder de captura muito ruim.



O gerenciamento de tarefas, agenda e outras atividades simples são muito fracos, nada intuitivos e funcionais, sendo um aparelho inadequado para a maioria das pessoas que gosta de organizar sua vida de forma mobile.

Até agora a minha análise está sendo negativa, mas existem duas coisas que me impressionaram no aparelho, a primeira delas é a TV e a segunda a função dual chip.

A TV é analógica, mas funciona com uma boa qualidade, tendo uma grande antena regulável para melhorar o sinal, e o aplicativo de TV possui uma interessante ferramenta oferecendo a possibilidade de gravar programas, e ual! isso é muito legal (até rimou). Na tela grande do aparelho fica muito gostoso ver TV ou ver vídeos, apresentando um ótimo brilho, mesmo sob luz solar.


PS: a cena do beijo capturada não foi intencional

A função dual chip permite que você trabalhe com dois chips simultâneos no aparelho. Durante os testes realizados utilizei um chip da Claro e outro da Oi. O aparelho ainda possui dois botões de discar, cada um para um chip específico, então é só escolher o contato e discar com a linha 1 ou 2, muito prático e funcional. Pena que no gerenciamento de mensagens sms você não consegue saber de qual linha veio a mensagem e pode acabar respondendo a mensagem pela linha errada.

Além dessas duas funções super legais me surpreendi muito com a bateria, ela é realmente boa, aguentando vários dias longe das tomadas.



O acelererômetro presente no VAIC funciona bem, estando presente em um joguinho de agitar dados e como função na TV e Player de musica, onde é só balançar o aparelho para mudar de canal ou musica, respectivamente.

Os auto-falantes são altos e possuem um bom som, sem apresentar tantos ruídos como imaginei anteriormente, o volume de ligação também é muito bom.

Se você quer se conectar a internet com o aparelho, instalar aplicativos ou conectar um acessório como um Hand Set, esqueça, pois o aparelho - ao menos esse - de forma alguma te permite essas ações.

Como conclusão desse review eu digo que o aparelho é uma péssima escolha se você é um usuário avançado e quer um telefone inteligente e funcional para tarefas pesadas, mas é uma boa escolha se você quer usar apenas a função de telefone e TV, porém não espere muita durabilidade desses aparelhos, eles são frágeis e cheios de bugs.

2 comentários:

twitter.com/Quimicoweb disse...

A postagem está perfeita.

Realmente a bateria impressiona.

Ainda estou vendendo ele, alguém se interessa??? rsrs

Mobbe disse...

Uma palavra: medo.

HUAHUAUAHAHAHAUHA

ótimo review, amigo.