300 x 250 Ad Space

16 janeiro 2010

Xing Ling, comprando gato por lebre


Nesse post temos a opinião do usuário Mario Torri, proprietário de um VAIC - que inclusive me emprestou para realizar testes - relatando como foi o processo de compra do aparelho e as frustrações na utilização.

Se não tomar cuidado acabamos comprando gato por lebre, pois esses aparelhos prometem maravilhas como câmera de 8mp, onde na verdade apresenta uma câmera VGA super ruim. Esses aparelhos entram de forma ilegal no país, não arrecadam impostos, não tem homologação da ANATEL e estudos dizem que podem inclusive danificar a saúde humana. Na hora da compra o aparelho parece fantástico, mas na utilização vemos que o aparelho não passa de falsas promessas.



Acompanhe o depoimento do usuário:

"À primeira vista o aparelho, que até é bonito, era tudo que eu precisava, pois, era dual chip, o que me permitia trabalhar simultaneamente com duas operadoras e eliminar meu problema de limitação de sinal. 
Comprei o aparelho de um atravessador que dizia ser um original “Vaio” com defeito, que a Sony estava vendendo mais barato por causa do defeito de conexão do cabo do carregador. Fingi que acreditei no cara, dei uma de bobo e que não sabia que Vaio é marca de notebooks da Sony e que os celulares dela são vendidos com a marca Sony Ericsson.
Realmente era muito difícil conectar o cabo do carregador ao aparelho, além disso, fui sortudo, o meu aparelho apresentava falhas no microfone, com isso, quando estava falando havia cortes e a pessoa do outro lado da linha não escutava tudo o que eu dizia. Lembrei que a “Sony” dava três meses de garantia nesses aparelhos, a garantia só não cobria a parte do conector de energia, contatei o vendedor, que retirou o aparelho e o levou  para a “assistência técnica”. Por fim me devolveram outro aparelho, inclusive de cor diferente. Mas não tive mais problemas com cortes na conversa, a função dual chip funcionava muito bem, a TV também, a bateria é uma das melhores que já vi, mesmo se comparado com as da Nokia. 
O ruim dele é que não veio com manual, à tradução usada era um português tosca, e  quando recebia mensagens eu não sabia em qual chip havia recebido a mensagem, por isso sempre tinha que ter crédito nos dois chips.
Eu já estava disposto a comprar outro aparelho porque o “Xing ling” era muito grande, mas me decidi por trocar de verdade  quando fui carregar a bateria do chienisinho e ele vibrava como se estivesse em curto circuito, preferi não arriscar e correr o risco de incendiar a casa, daí segui a sugestão do Tecnoboy e comprei um N78." 

Com esse depoimento fica claro que muitos vendedores desses aparelhos agem com má fé, portanto tenham cuidado e se informem antes.

Nos próximos posts abordarei a temática dos clones xing ling, isso mesmo, alguns modelos tentam imitar tops de linha e confundir o consumidor.

1 comentários:

twitter.com/Quimicoweb disse...

Alguém quer comprar meu aparelho Xing Ling???

PS.: faço preço camarada